Category Archives: morte; death; medo; fear; o que aí vem

Frio…

Aqui, perdido e vazio,
Sentindo o lado frio
Da cama, estendo sombrio
A minha mão e esvazio-me

De esperança! Não resta
Mais nada aqui nesta
Hora em que esta besta
Tenta só dormir a sesta?

E sem o calor do sol além,
Será que tens frio também?
Ou será que já tens alguém
E eu passei a ser ninguém?

winter-622126_1920...-800x485.jpg

winter-622126_1920…-800×485

Anúncios

Antecedentes…

Quanto de mal tem mal
Quando a maldade surge
Da memória do passado
Da mágoa do presente
E do medo do futuro?

1040900.jpg


Problema Eutanásia

Sem vida, não há pessoa; logo, só há pessoa com vida. Vale por dizer que se uma sociedade é composta por pessoas, só há sociedade quando há pessoas e, logo, só há sociedade quando há vida.

Como o raciocínio atrás bem retrata, resultou da minha formação que fui ensinado que o maior bem da sociedade, o maior valor da sociedade, é a vida. E tal naturalmente decorre porque a sociedade, num instinto de autopreservação, obriga-se a proteger as suas pessoas; que é o mesmo que dizer que se obriga a proteger a si mesma. Portanto, e acabando com as redundâncias, a sociedade está obrigada a proteger a vida das pessoas que a compõem.

Todavia, colhe em mim a ideia que existe um único valor que consegue secundar o valor vida: o valor vida digna. É que é muito bonito invocar deuses, princípios, opções pessoais, juramentos deontológicos e n outros argumentos, mas a verdade é que sabemos todos que existe vida e vida.

Quero com isto dizer que a vida tem muitas coisas boas, muitas mesmo, e até os acontecimentos mais ruins podem ser vistos de uma forma positiva passado algum tempo (por mais que não seja, para nos ensinar com erros e a dor que deles resulta…).

Contudo, existe um factor que, quando permanente, é capaz de afastar todas as coisas boas na vida: o sofrimento. Sinceramente, de que vale o sol brilhante, o céu azul, a morena cheirosa e as flores da Primavera perante o esforço colossal de aguentar uma vida sem poder sair de uma cama, sem poder mover-se sozinho, sem poder sentar-se numa sanita sozinho, sem poder tomar banho sozinho, sem poder alimentar-se sozinho, sem poder satisfazer-se sexualmente sozinho…

Aqui, talvez a palavra-chave não seja, na sua grande essência, o sofrimento só por si, mas sim o sofrimento gerado pela incapacidade permanente de ser, por si próprio, alguém individual, alguém que se faça valer sozinho.

Claro que há pessoas teimosas, e tremendamente corajosas, que não se deixam abater por esta incapacidade e deixam de se importar com o quanto são dependentes todos os dias. Há pessoas que descobrem a sua força interior quando todas as restantes forças se vão e dedicam-se a outras formas de viver.

Porém, existem outras pessoas que percebem que, lá no fundo, nunca conseguirão ser felizes com tal incapacidade sem saída. E tal gera um sofrimento sem igual que apenas se acaba com a coragem (o outro verso da moeda) de dizer “Basta! Já não quero viver!”.

É aqui que se percebe que estar vivo, sem dignidade nenhuma, passa a ser um sofrimento tremendo que não pode ser imposto a estas pessoas que sofrem e é aqui que toda a sociedade tem o dever de compreender que ser pessoa é muito mais do que ter um coração que bate dentro dum saco de carne podre e imóvel.

Se alguém cujo sofrimento permanente e incurável lhe obliterou a vontade de viver, porquê negar-lhe o seu único desejo?

Estará a fazer mal à sociedade um tipo que diz que:

a) Eu não quero mais viver, só quero uma saída digna para mim;

b) Eu não quero mais chatear quem cuida de mim, só quero uma saída para eles;

c) Eu não quero continuar a receber tostões do Estado, só quero uma saída para que o Estado não tenha de inventar desculpas para dizer que não consegue tratar de mim.

Será que Deus fecha as portas a uma pessoa que, depois de tanto sofrimento, só quer ir ter com a sua Graça mais depressa? Será que um médico se ficará a sentir pior depois de acabar com o sofrimento incurável de um paciente sem solução? Será que algum juiz, político ou outro soberano qualquer, em última representação da sociedade, terá coragem de cobrar mais um imposto derradeiro (a vida) à custa do sofrimento permanente e incurável de um dos seus membros?

É lindo ver a democracia parlamentar (cheia de velhos cristãos retrógrados…) a votar por si mesmos, sem qualquer directriz parlamentar. Pena é que um voto seja uma escolha e nessa escolha retire uma outra escolha, completamente legítima, a quem tanto sofre no meu país…

frase-quando-alguem-compreende-que-e-contrario-a-sua-dignidade-de-homem-obedecer-a-leis-injustas-mahatma-gandhi-147600.jpg

frase-quando-alguem-compreende-que-e-contrario-a-sua-dignidade-de-homem-obedecer-a-leis-injustas-mahatma-gandhi-147600 by kdfrases


Cachorro Abandonado…

Quero apagar tuas músicas
E jogar fora essas melodias e
Essas letras que me fazem
Lembrar de ti a dançar e a
Balancear sorrindo sem jeito.

Quero queimar as tuas fotos
E jogar fora todas as imagens
E montagens que me fazem
Lembrar das noites infindas
A sorrir por te ter comigo.

E quero romper esta pulseira
E jogar fora todos os presentes
E todas as ofertas que me fazem
Lembrar de quando te lembravas
Deste cachorro abandonado…

cao-560x416.jpg

 


Sem paciência…

Sem paciência para o drama
Da moça que não sei se me ama
Ou se prefere ser solta dama,
Hoje só quero sair desta cama
E esquecer tudo, toda a grama
Deste peso vazio que me trama…


Dar um tempo…

Quiseste dar um tempo
A este pobre vagabundo
E eu, com tanto tempo,
Cai e bati neste fundo

Onde nenhum passatempo
Me facilita cada segundo,
Onde cada vil contratempo
Me agonia e fere profundo

Como um destino sem frutos
E onde sinto estes minutos
A arranhar-me, bem brutos,

Enquanto oiço bater a hora
No relógio que também chora
E anuncia que nada melhora…


Perdido…

Estou perdido…
E não me acho a mim…
Nem te acho a ti…
Não sei onde andas…
Nem o que sentes mais…
Só sei que continuo aqui…
Mas está ficando difícil…
Está custando muito…
Está doendo muito…
E não ajudas muito…
E eu não sei mais como…
Eu não sei, não sei, não sei…
Como parar este vazio…
Como parar este remoinho…
E como manter-me de pé…
Perante essa distância…
Perante essa confusão…
Perante essa frigidez…
Estás mais distante que nunca…
E eu bem tento…
Tento chegar-me…
Tento aproximar-me…
Tento acercar-me…
Mas foges e esgueiras-te…
E escondes-te e quebras-me…
Quebras-me as forças…
Nas pernas, nos joelhos, no estômago…
Nas mãos, nos braços, no peito…
E estou cansado, quase esgotado…
De correr, de puxar, de lutar…
Só, sozinho, solitário…
E, se não dá mais, diz…
Ou grita…
Grita com força…
Grita com raiva…
GRITA-ME, MERDA!…
Grita-me até que oiça tudo…
Pois se precisas de lutar…
Para te lembrares…
Para te importares…
Se precisas de lutar…
DE LUTAR…
Para me amar…
Talvez não esteja só eu…
Perdido…
Talvez já esteja tudo…
Perdido…

Silhouette-of-a-angry-woman-and-man-facing-away-from-each-other-1024x683.jpg