Category Archives: Ignorância

A Questão do Politicamente Correcto e Decoro da Voz Pública

Entendendo eu o bom senso como um conjunto de princípios essenciais ao funcionamento de um Estado de Direito Democrático, poder-se-á dizer que o politicamente correcto é uma ferramenta deste bom senso. Deste ponto de vista, e indo buscar um princípio essencial ao funcionamento de qualquer sociedade: o meu respeito por terceiros e o respeito de terceiros por mim, cumprirá relevar que a cortesia perante o destinatário de qualquer declaração é mais do que uma exigência.

Bem sei que o palavrão e o calão são aspectos da língua portuguesa bastante apreciados pelos povos lusófonos. Gera uma sensação de camaradagem no ouvido de quem escuta e apela ao cidadão menos dado às palavras difíceis; e, ainda que ache gratuito e de mau gosto, não me choca ouvir um presidente da república dizer “Foda-se, não promulgo esta lei porque ela é essencialmente uma merda!” Está a referir-se a um mau trabalho em particular e não ofende (directamente) ninguém.

Já me choca é uma deputada europeia entrevistada, um jornalista em plena televisão ou um tipo com responsabilidades à frente de uma instituição que visa combater o racismo apontarem o dedo e lá vai bomba suja: “Corruptos!”, “Corja de bandidos!”, “Polícia de Bosta!”

Ora, conforme resulta do bom senso, quem qualifica os comportamentos das pessoas como criminosos e os pune são os tribunais. Se alguém considera outra pessoa criminosa, não tem o dever de os queimar nas redes sociais nem na televisão. Tem o dever de os denunciar aos órgãos jurisdicionais competentes e estes tratam do assunto.

Fora disto, quem pratica este tipo de actos injustos arrisca-se a que a mesma injustiça faça ricochete.

Ou não seria justo a Sra. Deputada Ana Gomes levar com o apelido de parola depois de dizer que sob o Dr. Paulo Portas existem suspeitas de corrupção e logo em seguida ser condenada por difamação e calúnia?  Mais, depois de ser punido disciplinarmente não seria justo o jornalista da BTV ser gozado pela “corja do Porto” ? Ou não será humilhante para o Mamadou Ba o facto de pedir protecção policial depois de colocar em causa a Polícia de Segurança Pública?

Têm sorte estes indivíduos porque a Justiça não deixa de proteger fala-baratos que não têm bom senso nem decoro nenhum quando se pronunciam no espaço público.

Que sorte têm de viver num país democrático…

 

Anúncios

DEBATES IMPROFÍCUOS

Dentista com o paciente:
– O senhor tem os dentes tortos, quer colocar um aparelho?
– Quem disse que tenho os dentes tortos? A senhora? Já viu que está a ficar careca?
– Eu a ficar careca? O senhor usa óculos de garrafão!
– A senhora é gorda!
– Contudo, o bafo do senhor tresanda a álcool!
– E a senhora tem cara de quem precisa de sexo!
– E você é um pulha que deve bater na sua mulher só porque ela lhe diz que tem os dentes tortos!
– Eu tenho os dentes tortos? A senhora está a ficar careca! Quem é você para me dizer que estou a ficar com os dentes tortos?!?!?

Quem atentar bem a este pobre e caricaturado diálogo, percebe facilmente que os dentes tortos do paciente são o primeiro problema identificado. Igualmente percebe que lhe é sugerida uma solução. Contudo, ofendido o paciente (quiçá estúpido como uma pedra…) pelo notado problema, ignora a sua tortuosa dentadura e parte para o “Quem é você para me dizer o que quer que seja? Você até tem igualmente defeito!”. Por sua vez, igualmente ofendida pelo paciente, a dentista retribui na mesma moeda e leva retorno e torna a responder e assim sucessivamente até facilmente percebermos que o primeiro problema (os dentes tortos do paciente) continua por resolver e vai continuar por se resolver.

Isto, infelizmente, é o que temos na televisão portuguesa (especialmente no mundo do futebol e na vida política). Argumentos sobre um tema rapidamente se dispersam e divagam para o “Queres que eu respeite isso, mas tu nunca o fizeste!” ou “Sim, sim! Mas o teu clube/partido é tão incompetente/criminoso como o meu!”.

Portanto, o que temos para discutir quando as pessoas não sabem discutir? Como encontramos juntos uma solução se as partes se focarem apenas em comparar problemas? Mais, o que fazemos quando esta forma de desargumentar é reiteradamente propositada pelos propagandistas do inócuo e do vazio?

Bem sabemos que existe a liberdade de expressão, mas onde está o acrescer da responsabilidade inerente a quem tem voz pública e a exerce de forma leviana, imprecisa e geralmente de forma sofista?

sofistas.jpg


Ressaca das Eleições Brasileiras

Enquanto português, e, por isso mesmo, com olho externo sobre o Brasil, penso que as causas sobre a ascensão de Bolsonaro são as seguintes:

1. Problema estrutural de educação.
Têm uma taxa de analfabetismo que julgo rondar os 7,2% segundo as últimas notícias que li sobre o assunto. Depois, e perdoem-me os brasileiros, a qualidade do ensino é péssima. Qualquer tipo que tenha frequentado uma escola portuguesa (cujo ensino público não é assim tão bom…) chega ao Brasil e se destaca (mesmo o aluno com mais dificuldades). Mais, e apenas a título de exemplo, encontrar um brasileiro que saiba falar inglês é uma raridade e a História de Portugal (que tem a sua influência, para o bem e para o mal, na História do Brasil) é algo bastante brumoso para a maioria do povo brasileiro.

2. A Presidenta Dilma
Mais preocupada em ser chamada de Presidenta do que noutro assunto qualquer (uma tremenda parvoíce, sendo que presidente é já só por si um étimo sem género e não há nenhum “presidentO” na língua portuguesa…) , a dona Dilma foi eleita pelo povo brasileiro, mas nunca percebeu que já não se encontrava ao serviço de Lula da Silva e nunca percebeu que a figura do Presidente do Brasil nunca poderia, em momento algum, pôr-se a tentar proteger um cidadão investigado por crimes de corrupção. Percebendo de antemão alguma frustração por algum abuso das entidades judiciárias, tentar fazer regressar Lula ao governo foi, mais que um erro crasso, um atentado à transparência política e um convite claro ao impeachment que sofreu.

3. Lula da Silva
Talvez por teimosia ou talvez por falta de melhor aconselhamento, Lula da Silva arrastou o PT para a fossa, não percebendo a importância do seu partido para a estabilidade política do Brasil. Mais, a falta de sentido de estado foi tão grande que em vez de se afastar da sua afilhada Dilma, do PT e do governo, ainda tentou voltar a concorrer às eleições, fraturando assim tanto o eleitorado como dando a entender que no PT não havia ninguém capaz para lutar por ser presidente.

4. Partido dos Trabalhadores
Não, nem todas as pessoas que votam em Bolsonaro são fascistas ou misóginas; pois algumas delas votaram em Lula e em Dilma. O PT, e suas bases, pagam agora por não terem criado um aparelho profissional, competentes e desgarrado de personalidades. A idolatria incondicional que prestaram a Lula, querendo colocar em causa o próprio aparelho judiciário, foi mergulhar na merda e continuara chafurdar nela. Mais, qual era o programa de governo de Hadad? Os projectos? As ideias? Resposta inacreditável: indulto a Lula. Mesmo sabendo que eles acreditam plenamente na inocência de Lula, o que pensa o resto do mundo? Apenas uma coisa: a corrupção é sistémica.

5. Direita Brasileira
A Oposição está sempre à procura de poder, dê por onde der, e conforme os métodos que estiverem à sua disposição. Socorrendo-se dos valores conservadores de Moro e restante companhia judiciária, fizeram um aproveitamento político e, passe a redundância, baixo. Claro que não contavam com a ascensão de Bolsonaro, mas talvez lhes sirva de lição.

6. Aparelho Judiciário
Não colocando de parte a hipótese de Lula ter sido efectivamente corrompido, o que está em causa é a entrega de uma casa (e outros valores) a Lula como contrapartida deste, enquanto esteve no poder, os favorecer ilicitamente. Contudo, ressoa (nunca consultei o processo) a inexistência de provas…
Mais, se fosse em Portugal que Moro (sabe-se agora apoiante de Bolsonaro) aparecesse durante uma campanha política revelando documentos em segredo de justiça via-se logo a contas com um processo disciplinar. No Brasil aplaudem o seu “heroísmo”…

7. Comunicação Social
Não é por a comunicação social se ter tornado um negócio que os deveres de prestação de informação isenta e precisa, bem como os deveres de prestar programação de qualidade (e não apenas futebol e big brothers e companhia…), se devem descurar. A título de exemplo, qualquer jurista português se assusta com aqueles programas brasileiros em que o jornalista entrevista um tipo detido e algemado e lhe pergunta “Porque você matou a sua mãe?”. Esse tipo de programas é um atropelo aos direitos fundamentais de qualquer cidadão, mesmo dos cidadãos mais torpes e, no entanto, é um tipo de programas que continua a existir. Desculpem-me os consumidores desses programas, mas esse tipo de programação emburrece as pessoas e torna-as mesquinhas e de visão curta.

8. Insegurança
O medo destrói regimes e a promessa de segurança ganha votos. É tão simples como isso. O Brasil teve mais assassinatos este ano num ano do que a União Europeia e os Estados Unidos da América juntos. Porque diabos o PT e os outros não tomaram nenhuma medida contra esta insegurança? Por amor de Deus, não custa a perceber isso, era só ver a Tropa de Elite (1 e 2)!

9. Igreja e bispos e padres de merda
“A César o que é de César, à Igreja o que é da Igreja.” Disse Jesus Cristo.
Contudo, os bispos e parolos religiosos querem mais que o Reino de Deus! Querem poder! E, por isso, toca de aproveitar a necessidade de orientação espiritual das “ovelhas” e apoiar Bolsonaro…

10. Povo
Por fim, ao contrário do que alguma comunicação social parece querer fazer crer, havia escolhas políticas para todos os gostos. Não existiam apenas PT (nem nomeio o boneco que concorreu por este partido) e Bolsnaro. Havia mais! Muito mais! Havia conservadores, liberais, socialistas, comunistas, centro-esquerda, centro-direita…. uma lista sem fim! Mas as pessoas preferiram um cowboy que respira fascismo por tudo quanto é poro. Logo, não adianta muito queixar-se quando começar a existir tiro por todo o lado e prisões sem ordens judiciais!


Advogado do Diabo

Eu queria não ser aquele tipo que se preocupa em enviar emails a jornalistas, dando conta, de forma objectiva, que detectei imprecisões claras no texto deles.

Eu queria não ser aquele tipo a quem devolvem uma gentileza com acusações de iliteracia e que eu não percebo nada daquilo que leio.

Eu queria não ser aquele tipo cuja opinião sobre jornalistas é exatamente a mesma que tenho pelos políticos e por todos os outros que adoram ser preguiçosos ao mesmo tempo que proactivam a sua qualidade de papagaios.

Eu queria não ser aquele tipo que vive num mundo em que:

  1. Os jornalistas imprecisos vão permitir
  2. Que os corruptos políticos tomem o poder
  3. Aos injustos procuradores justiceiros,
  4. Aos relaxados e soberanos juízes que actuam como funcionários públicos
  5. E ao inerte povo sem ideias.

Eu queria não ser aquele tipo que vive num mundo em que ninguém respeita advogados; já que terei que ser eu, advogado, a escrever pelas vitimas, a alegar pelos inocentes, a clamar por justiça, a lutar contra a injustiça, a ir preso por ser um cidadão exemplar e a ser saneado publicamente de modo a recordar às pessoas o que é o Estado de Direito Democrático.


SEXISMO vs PRAGMATISMO

Eu compreendo que a luta pela igualdade é, e deve ser, uma constante em todos os cidadãos. É meu entender que “Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.” (Cfr. Artigo 13º/Nº2 Da Constituição da República Portuguesa)

Mas, não querendo sequer falar do machismo (até porque os seus defensores já são considerados broncos pelos seus semelhantes mais evoluídos…), a verdade é que algum feminismo, pelo menos em Portugal, é-me cada vez mais insuportável, especialmente quando esses laivos partem de defensoras com alguma propensão a mostrar mamilo para defender os seus ideais (Já agora, as modelos já fazem isso e não são elas o melhor exemplo da luta pela igualdade de género…).

O último é: “A mulher tem de ter acesso aos mesmos cargos de liderança que os homens…”

A sério? Primeiro, importa referir que ser líder exige razão, frieza e segurança na hora de decidir. Ora, será que não sabemos todos que, no geral, as mulheres são mais emocionais que os homens? Será que não sabemos que, no geral, as mulheres são mais conflituosas que os homens? Será que, no geral, as mulheres não são mais inseguras e indecisas que os homens?

“MACHISTA!!!!” Parece que já estou a ouvir dedos néscios a levantarem-se.

“Nem todas as mulheres são emocionais, explosivas e inseguras…” Oiço logo a seguir…

E SIM! Esta última frase é verdade: Nem todas as mulheres são emocionais, explosivas e inseguras! Mulheres racionais, frias e seguras também existem… Contudo, mulheres racionais, frias e seguras são uma minoria em comparação com as mulheres emocionais, explosivas e inseguras! E como minoria que são, estão representadas proporcionalmente em minoria nos cargos de liderança.

Portanto, portuguesas, é uma questão de pragmatismo, não é uma questão de sexismo.

Não sejam tolas…


Os Cinquenta Acéfalos

Que nós já sabíamos que certas pessoas, pela posição social que detêm na sociedade, têm a obrigação de manter o decoro no uso da palavra, já sabíamos. Que discursos inflamados e virados para a guerra não têm nenhuma razão de existir em tempos de paz, e especialmente sobre matérias de lazer e desporto, também já sabíamos. Que nós sabemos que a idiotice colectiva se pega, também já sabíamos.

Assim, e após uma data de anos de discursos de ódios verdes, só faltava mesmo saber quantos idiotas sem massa cefálica suficiente estragariam as vidas por causa dum clube de futebol.

Pelos vistos, estão vinte e três acéfalos presos e andam à procura dos restantes… tudo porque a sua equipa de futebol ficou em terceiro lugar no campeonato.

É mesmo caso para dizer que vidas sem causa só causam problemas… a si e aos outros.

images.jpg

Invasão à Academia do Sporting, by Correio da Manhã


Perdido…

Estou perdido…
E não me acho a mim…
Nem te acho a ti…
Não sei onde andas…
Nem o que sentes mais…
Só sei que continuo aqui…
Mas está ficando difícil…
Está custando muito…
Está doendo muito…
E não ajudas muito…
E eu não sei mais como…
Eu não sei, não sei, não sei…
Como parar este vazio…
Como parar este remoinho…
E como manter-me de pé…
Perante essa distância…
Perante essa confusão…
Perante essa frigidez…
Estás mais distante que nunca…
E eu bem tento…
Tento chegar-me…
Tento aproximar-me…
Tento acercar-me…
Mas foges e esgueiras-te…
E escondes-te e quebras-me…
Quebras-me as forças…
Nas pernas, nos joelhos, no estômago…
Nas mãos, nos braços, no peito…
E estou cansado, quase esgotado…
De correr, de puxar, de lutar…
Só, sozinho, solitário…
E, se não dá mais, diz…
Ou grita…
Grita com força…
Grita com raiva…
GRITA-ME, MERDA!…
Grita-me até que oiça tudo…
Pois se precisas de lutar…
Para te lembrares…
Para te importares…
Se precisas de lutar…
DE LUTAR…
Para me amar…
Talvez não esteja só eu…
Perdido…
Talvez já esteja tudo…
Perdido…

Silhouette-of-a-angry-woman-and-man-facing-away-from-each-other-1024x683.jpg