Category Archives: Críticas

Advogado do Diabo

Eu queria não ser aquele tipo que se preocupa em enviar emails a jornalistas, dando conta, de forma objectiva, que detectei imprecisões claras no texto deles.

Eu queria não ser aquele tipo a quem devolvem uma gentileza com acusações de iliteracia e que eu não percebo nada daquilo que leio.

Eu queria não ser aquele tipo cuja opinião sobre jornalistas é exatamente a mesma que tenho pelos políticos e por todos os outros que adoram ser preguiçosos ao mesmo tempo que proactivam a sua qualidade de papagaios.

Eu queria não ser aquele tipo que vive num mundo em que:

  1. Os jornalistas imprecisos vão permitir
  2. Que os corruptos políticos tomem o poder
  3. Aos injustos procuradores justiceiros,
  4. Aos relaxados e soberanos juízes que actuam como funcionários públicos
  5. E ao inerte povo sem ideias.

Eu queria não ser aquele tipo que vive num mundo em que ninguém respeita advogados; já que terei que ser eu, advogado, a escrever pelas vitimas, a alegar pelos inocentes, a clamar por justiça, a lutar contra a injustiça, a ir preso por ser um cidadão exemplar e a ser saneado publicamente de modo a recordar às pessoas o que é o Estado de Direito Democrático.

Anúncios

Correr de Verdade

Forasteiro, tu, que és de fora por agora,
Tu, que vens donde só se fulmina o céu,
Não sabes o que é correr, correr, correr
Nem o que é correr para fugir de verdade
E para lá, bem para lá, do finado fôlego.

Forasteiro, tu, que não és cá de perto,
Tu, que vens lá de longe, muito longe,
Não sabes o que é correr zunindo tiros
Nem o que é correr de balas perdidas
Por entre o caos, o terror e a agonia.

Forasteiro, tu, que ainda te fartas de rir,
Tu, que desconheces o azar de aqui vir,
Não sabes o que é correr da vizinha morte
Nem sabes o que é correr para continuar
Vivendo nas ruas e ruelas destas favelas.

favela_by_martinduggan.jpg

favela_by_martinduggan

PS: A tentativa lírica de cima é em honra de todas as pessoas que me são queridas e que vivem num dos países com mais recursos do mundo, mas onde impera ainda a pobreza de espírito, o crime e a fraqueza política.

Fica aqui o meu presente para vocês, meus queridos corajosos.

Que Deus não vos falhe a vós e não falhe também aos vossos queridos.


Missão Impossível: Fallout

MI_–_Fallout.jpg

Missão Impossível: Fallout

De Christopher McQuarrie

Não é segredo nenhum que adoro os filmes Missão Impossível e que acho Ethan Hunt o melhor espião do mundo (muito superior a James Bond).

Claro que sei que a luta para impedir uma catástrofe mundial é já um clichê argumentativo, mas (pensando bem) não é uma missão impossível salvar o mundo? E se é uma missão impossível salvar o mundo quem o pode salvar? O Superman e a CIA ou Hunt e a IMF? Inclino-me para o segundo.

Tom Cruise, como em qualquer filme em que participe, é destaque notório e dá ao filme aquele toque de realismo doido que todos adoramos, mas Simon Pegg (alívio cómico), Rebecca Fergunson (Femme Fatale), Alec Baldwin (melhor director de sempre do IMF) e surpreendentemente Ving Rhames (velho amigo de Ethan) contribuem para o seu charme. Henry Cavill acompanha brutalmente com a sua estampa física os demais, mas Sean Harris pouco ou nada se destaca no papel que repete. Michelle Monaghan e Vanessa Kirby são elementos nostálgicos e fazem-nos recordar de filmes anteriores, o que dá uma sensação de continuidade – o que é sempre bom…

Aqui, uma palavra para algo raro na história: desenvolvimento pessoal de Ethan Hunt. O nosso espião já dormiu com algumas das mulheres mais perigosas do mundo (Alguém se consegue esquecer de Nyah?), mas a verdade é que só casou com Julia e, desde que a teve de esconder do mundo, que só Ilsa se equiparou a ela. É interessante colocarem as duas no mesmo filme e permitirem-nos que nos aproximemos mais de Ethan (ainda que ache que o esquecimento de Nyah é um pecado…)

Quanto ao ponto fraco do filme, o único para mim, é a tentativa frustrada de esconder o agente infiltrado. Ao contrário de outros filmes em que o agente infiltrado (vilão) se esconde muito bem (Jim Phelps interpretado por Jon Voight e Claire interpretada por Emmanuelle Béart no primeiro filme são os maiores destaques, mas não nos esqueçamos de Musgrave interpretado por Billy Crudup no terceiro filme da saga…) este filme denuncia demasiado cedo o seu agente infiltrado.

Finalmente, corpo a corpo, disparos, contagens de bombas nucleares, perseguições de mota, de carro e de helicóptero, escalada e montagens de cenas com as máscaras para conseguir informações ou desmascarar o vilão… Missão Impossível: Fallout tem tudo isso e muito mais.

Eu recomendo sempre.


O Rescaldo de Portugalov no Mundial

Ontem Portugal foi eliminado do Campeonato Mundial da Rússia e, como é óbvio, fiquei triste enquanto português de gema.

Contudo, portugueses, a nossa História é demasiado grande para dizermos “Voltamos à mesma merda de sempre…”. Que diabo! Será que neste momento o mérito da nossa História se formula e reformula de dois em dois anos consoante os resultados de uma mera equipa de selecção nacional de futebol?

Não, claro que não!

Temos a nossa cultura, temos a nossa língua, temos os nossos feitos históricos, temos a nossa comida, temos o nosso jeito de ser… liguem mais ao que foi Portugal, ao que é Portugal e ao que pode ser Portugal. Não há cá lágrimas para o futebol, guardem-nas para quando são realmente necessárias…

Deixem lá que o futebol português terá novamente motivos para comemorar…

b8554c5ca653b626445e3e974d5648cc.jpg

Fernão Magalhães, um verdadeiro herói nacional…

 


SEXISMO vs PRAGMATISMO

Eu compreendo que a luta pela igualdade é, e deve ser, uma constante em todos os cidadãos. É meu entender que “Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.” (Cfr. Artigo 13º/Nº2 Da Constituição da República Portuguesa)

Mas, não querendo sequer falar do machismo (até porque os seus defensores já são considerados broncos pelos seus semelhantes mais evoluídos…), a verdade é que algum feminismo, pelo menos em Portugal, é-me cada vez mais insuportável, especialmente quando esses laivos partem de defensoras com alguma propensão a mostrar mamilo para defender os seus ideais (Já agora, as modelos já fazem isso e não são elas o melhor exemplo da luta pela igualdade de género…).

O último é: “A mulher tem de ter acesso aos mesmos cargos de liderança que os homens…”

A sério? Primeiro, importa referir que ser líder exige razão, frieza e segurança na hora de decidir. Ora, será que não sabemos todos que, no geral, as mulheres são mais emocionais que os homens? Será que não sabemos que, no geral, as mulheres são mais conflituosas que os homens? Será que, no geral, as mulheres não são mais inseguras e indecisas que os homens?

“MACHISTA!!!!” Parece que já estou a ouvir dedos néscios a levantarem-se.

“Nem todas as mulheres são emocionais, explosivas e inseguras…” Oiço logo a seguir…

E SIM! Esta última frase é verdade: Nem todas as mulheres são emocionais, explosivas e inseguras! Mulheres racionais, frias e seguras também existem… Contudo, mulheres racionais, frias e seguras são uma minoria em comparação com as mulheres emocionais, explosivas e inseguras! E como minoria que são, estão representadas proporcionalmente em minoria nos cargos de liderança.

Portanto, portuguesas, é uma questão de pragmatismo, não é uma questão de sexismo.

Não sejam tolas…


Problema Eutanásia

Sem vida, não há pessoa; logo, só há pessoa com vida. Vale por dizer que se uma sociedade é composta por pessoas, só há sociedade quando há pessoas e, logo, só há sociedade quando há vida.

Como o raciocínio atrás bem retrata, resultou da minha formação que fui ensinado que o maior bem da sociedade, o maior valor da sociedade, é a vida. E tal naturalmente decorre porque a sociedade, num instinto de autopreservação, obriga-se a proteger as suas pessoas; que é o mesmo que dizer que se obriga a proteger a si mesma. Portanto, e acabando com as redundâncias, a sociedade está obrigada a proteger a vida das pessoas que a compõem.

Todavia, colhe em mim a ideia que existe um único valor que consegue secundar o valor vida: o valor vida digna. É que é muito bonito invocar deuses, princípios, opções pessoais, juramentos deontológicos e n outros argumentos, mas a verdade é que sabemos todos que existe vida e vida.

Quero com isto dizer que a vida tem muitas coisas boas, muitas mesmo, e até os acontecimentos mais ruins podem ser vistos de uma forma positiva passado algum tempo (por mais que não seja, para nos ensinar com erros e a dor que deles resulta…).

Contudo, existe um factor que, quando permanente, é capaz de afastar todas as coisas boas na vida: o sofrimento. Sinceramente, de que vale o sol brilhante, o céu azul, a morena cheirosa e as flores da Primavera perante o esforço colossal de aguentar uma vida sem poder sair de uma cama, sem poder mover-se sozinho, sem poder sentar-se numa sanita sozinho, sem poder tomar banho sozinho, sem poder alimentar-se sozinho, sem poder satisfazer-se sexualmente sozinho…

Aqui, talvez a palavra-chave não seja, na sua grande essência, o sofrimento só por si, mas sim o sofrimento gerado pela incapacidade permanente de ser, por si próprio, alguém individual, alguém que se faça valer sozinho.

Claro que há pessoas teimosas, e tremendamente corajosas, que não se deixam abater por esta incapacidade e deixam de se importar com o quanto são dependentes todos os dias. Há pessoas que descobrem a sua força interior quando todas as restantes forças se vão e dedicam-se a outras formas de viver.

Porém, existem outras pessoas que percebem que, lá no fundo, nunca conseguirão ser felizes com tal incapacidade sem saída. E tal gera um sofrimento sem igual que apenas se acaba com a coragem (o outro verso da moeda) de dizer “Basta! Já não quero viver!”.

É aqui que se percebe que estar vivo, sem dignidade nenhuma, passa a ser um sofrimento tremendo que não pode ser imposto a estas pessoas que sofrem e é aqui que toda a sociedade tem o dever de compreender que ser pessoa é muito mais do que ter um coração que bate dentro dum saco de carne podre e imóvel.

Se alguém cujo sofrimento permanente e incurável lhe obliterou a vontade de viver, porquê negar-lhe o seu único desejo?

Estará a fazer mal à sociedade um tipo que diz que:

a) Eu não quero mais viver, só quero uma saída digna para mim;

b) Eu não quero mais chatear quem cuida de mim, só quero uma saída para eles;

c) Eu não quero continuar a receber tostões do Estado, só quero uma saída para que o Estado não tenha de inventar desculpas para dizer que não consegue tratar de mim.

Será que Deus fecha as portas a uma pessoa que, depois de tanto sofrimento, só quer ir ter com a sua Graça mais depressa? Será que um médico se ficará a sentir pior depois de acabar com o sofrimento incurável de um paciente sem solução? Será que algum juiz, político ou outro soberano qualquer, em última representação da sociedade, terá coragem de cobrar mais um imposto derradeiro (a vida) à custa do sofrimento permanente e incurável de um dos seus membros?

É lindo ver a democracia parlamentar (cheia de velhos cristãos retrógrados…) a votar por si mesmos, sem qualquer directriz parlamentar. Pena é que um voto seja uma escolha e nessa escolha retire uma outra escolha, completamente legítima, a quem tanto sofre no meu país…

frase-quando-alguem-compreende-que-e-contrario-a-sua-dignidade-de-homem-obedecer-a-leis-injustas-mahatma-gandhi-147600.jpg

frase-quando-alguem-compreende-que-e-contrario-a-sua-dignidade-de-homem-obedecer-a-leis-injustas-mahatma-gandhi-147600 by kdfrases


Os Cinquenta Acéfalos

Que nós já sabíamos que certas pessoas, pela posição social que detêm na sociedade, têm a obrigação de manter o decoro no uso da palavra, já sabíamos. Que discursos inflamados e virados para a guerra não têm nenhuma razão de existir em tempos de paz, e especialmente sobre matérias de lazer e desporto, também já sabíamos. Que nós sabemos que a idiotice colectiva se pega, também já sabíamos.

Assim, e após uma data de anos de discursos de ódios verdes, só faltava mesmo saber quantos idiotas sem massa cefálica suficiente estragariam as vidas por causa dum clube de futebol.

Pelos vistos, estão vinte e três acéfalos presos e andam à procura dos restantes… tudo porque a sua equipa de futebol ficou em terceiro lugar no campeonato.

É mesmo caso para dizer que vidas sem causa só causam problemas… a si e aos outros.

images.jpg

Invasão à Academia do Sporting, by Correio da Manhã